quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O Testemunho (ii)

– Só para a senhora doutora ver como ele era com a mulher: eu uma vez fui lá a casa e ele estava a arear os bicos do fogão… Veja bem, a arear os bicos do fogão. Ela na sala a ver a novela e ele cheio de brios e cuidados de volta dos bicos. E eu disse-lhe, doutora, eu disse: Ó Cilinha (eu tratava-a por Cilinha… Por Cilinha, doutora, veja bem como eu gostava dela, nem lhe chamava Raimunda nem nada)…

– Não estou a perceber, a senhora não se chama Raimunda?

– Eu?! Eu não, Deus me livre!

– Eu sei que a senhora não se chama Raimunda…

– Graças a Deus e aos meus paizinhos.

– Seja. Voltemos aos factos.

– O facto é que ela não gostava, doutora, não gostava nada. Chamar-lhe Raimunda era pior que cuspir-lhe.

– Pronto, já percebemos. Essa parte do nome está esclarecida, D. Engrácia Genoveva. A senhora estava a dizer que lhe tinha dito…

– Sim, eu disse-lhe: “Ó Cilinha, quem me dera a mim ter um homem que me tratasse dos bicos como o teu… Que regalo. Olha para aquelas mãos tão cuidadosas de volta dos bicos, mulher, a rodeá-los com tanto cuidado, a esfregá-los com tanto carinho. Quem me dera que alguém me esfregasse os bicos assim…”

– E ela?

– Ela?! Ela virou-se para mim e disse-me: “E nunca o viste tu de joelhos a passar-me o corredor a pano”.

– Diga?

– Digo, doutora, digo… mas nisso ele não era tão bom.

– Desculpe?

– É verdade, eu até acho que ele tinha uma fixação por bicos, está a ver?… Para o resto não lhe puxava tanto.

– Ainda está a falar do fogão?

– Do fogão?! Ah, sim, sim, do fogão. Pois, dos bicos do fogão, ele estava a areá-los.

ORIGINAL POST BY: GARFANHO

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixa aqui o teu contributo