quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Oda-se! (*)(**)

Da gordura a formosura chama-lhe sua quem quer
No fundo a maior doçura, o mistério mais profundo
É esse ser que se quer - quer seja fino ou rotundo
E que se chama Mulher
Há depois para alguns a escolha
Para outros a que calha
A mais doce maravilha
Ou a proeza que orgulha
Com mulher mais nova ou velha
Mas sempre e só a Mulher
A Mulher que se faz ilha
A guarida
A partilha
Esta opressão no meu peito
Se ao leito não me ajeito
De a ter comigo
De amá-la
A Mulher que é mãe e amiga
Mas a Mulher que é amante
Aquela de roubar o sono só por querer possui-la
Tê-la minha em breve instante
Fazer dela o meu sonho
Com quem, acordado, cismo
E por fim
O riso
O gozo
Um grito a saltar do peito
O orgasmo!

(*) faça-se uma ode tendo como mote o pencas, o melhor ganha;

(**) Prémio: Uma espetacular noite na Pensão estrela, com jantar incluído Menu: Carne de Salivares, regada com molho do chefe Abreu, seguido do ajuntamento musical do não me pises.

Continua a Pagar o prémio o isso Agora…

Vamos participai caralho!!!

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixa aqui o teu contributo